Três homens são presos na Paraíba suspeitos de roubarem dinheiro de idosos em filas de caixas eletrônicos

13 jun 2023 - Paraíba

A Polícia Civil da Paraíba desarticulou parte de uma associação criminosa especializada em furtar, mediante fraude, dinheiro de idosos em filas de caixas eletrônicos. Três investigados foram presos em flagrante no último sábado (10), em Campina Grande, com mais de 70 cartões de bancos. A investigação foi realizada por equipes da 2ª Superintendência e da 10ª Delegacia Seccional.

O grupo criminoso estava sendo investigado desde março deste ano. De acordo com os dados apurados, os golpistas ficavam nas filas de caixas eletrônicos das agências bancárias e se ofereciam a ajudar pessoas com certa dificuldade em operar os caixas.

“Eles escolhiam como vítimas pessoas idosas. Uma delas, por exemplo, tem 82 anos de idade. Os golpistas conseguem obter a senha das vítimas e ainda trocam o cartão delas. Com essa manobra, os criminosos faziam saques e até empréstimos com os cartões roubados”, disse o superintendente de Polícia Civil em Campina, Cristiano Santana.

Dos três homens presos, dois são de Campina Grande e o terceiro de Sergipe. Eles têm entre 50 e 67 anos de idade. A delegada seccional Nercília Dantas informou que a Polícia Civil já havia solicitado um mandado de prisão contra um deles.

“Mas aí analisamos a oportunidade que nos surgiu de prendê-los em flagrante, o que deu certo. Já entramos em contato com várias vítimas dessa quadrilha, para darmos prosseguimento ao Inquérito Policial”, disse Nercília.

Além de cartões, a operação apreendeu cheques e dinheiro. Há indícios de que o grupo criminoso atua em outros estados, movimentando cifras que ultrapassam um milhão de reais.

Flagrante

Os policiais monitoravam os criminosos e, baseados em informações repassadas pelas próprias agências bancárias, surpreenderam os estelionatários no momento em que eles tentavam enganar mais uma vítima, dentro de um banco, prendendo-os em flagrante.

As investigações estão em andamento, para identificar e prender outros envolvidos nos crimes.

Diário do Sertão