RadarPB - Notícias de Triunfo - PB

  • contato@radarpb.com.br
  • (83) 9 9952-1219 / (83) 9 9631-7511

Há um longo caminho até o fim da pandemia, diz OMS

13 maio 2020

São Paulo SP 28 02 2020 -O Brasil tem 132 suspeitos e paciente em São Paulo confirmado, afirma o Ministério da Saúde. O virus ja se alastra em todos os continentes.foto OMS

A Organização Mundial de Saúde (OMS) reforçou, nesta quarta-feira (13), que ainda há um “longo caminho” até o fim da pandemia de Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus. A entidade foi questionada sobre o protocolo para “desfazer” o alarme de pandemia ao redor do mundo, declarado no dia 11 de março.

“Nós passamos a lidar com o vírus, e achamos os tratamentos, achamos os métodos de prevenção, e as pessoas não sentem tanto medo como sentiam antes. Oferecemos vidas longas e saudáveis a pessoas com HIV”, disse. “Não estou comparando as duas doenças, mas é importante sermos realistas”.

“Todos esses passos são cheios de desafios. É uma oportunidade imensa para o mundo. A ideia de que uma nova doença pode surgir, causar uma pandemia e nós podemos, com uma ambição enorme, achar uma vacina e dá-la a todos que precisam e parar a doença pode tornar, talvez, o que tem sido uma pandemia trágica em uma luz de esperança para o futuro do nosso planeta na forma com que cuidamos de nossos cidadãos e trabalhamos juntos para resolver nossos problemas, por meio de solidariedade, confiança, trabalho conjunto e um sistema multilateral que possa beneficiar a humanidade”, declarou.

“Não há promessas nisso, e não há datas”, disse Ryan. “Essa doença pode se tornar um problema de longo prazo, e pode não ser. De algumas formas, nós temos controle sobre esse futuro. Mas vai ser necessário um esforço imenso para fazer isso.”

A OMS já havia alertado, há cerca de 20 dias, que o novo coronavírus (Sars-CoV-2) ainda demoraria para ser vencido. O diretor-geral da entidade, Tedros Adhanom Ghebreyesus, reforçou, ainda, que a doença foi declarada uma “emergência de saúde internacional”, o nível mais alto de alerta da OMS, no dia 30 de janeiro.

G1