RadarPB - Notícias de Triunfo - PB

  • contato@radarpb.com.br
  • (83) 9 9952-1219 / (83) 9 9631-7511

Eleições Municipais: fim das coligações proporcionais entra em vigor em 2020 e preocupa presidentes de siglas

15 abr 2019

urna eletrônica. Foto: Nelson Jr./ ASICS/TSE

O sistema de coligações para as candidaturas proporcionais, como vereador e deputados estadual e federal, deixará de existir nas eleições municipais de 2020. É o que explica o advogado eleitoralista Maurício Castilho. “O sistema proporcional vai vigorar, com a diferença de que não terá coligações. As coligações vão ser possíveis somente para os cargos majoritários, ou seja, a disputa para prefeito nas próximas eleições. Com o fim das coligações vão se eleger os candidatos mais votados dentro dos seus partidos, desde que o partido consiga atingir o quociente eleitoral”, disse. Tal medida vem preocupando diversos presidentes estaduais de siglas na Paraíba que começam a se reorganizar para que suas siglas sobrevivam pós-eleições de 2020.

De acordo com o advogado Cartilho, esta mudança foi a partir da última reforma política no Brasil. “A vontade do legislador foi evitar que partidos sem ideologias semelhantes se coliguem somente para o fim de conseguir atingir o quociente eleitoral, o que chamamos do ‘efeito Tiririca’. Outro fato que levou a aprovação desta alteração se deu em razão de exigir dos partidos que se estruturem, vez que terão que estar mais preparados e contar com filiados e candidatos que realmente acreditem nos dogmas da agremiação”, avaliou.

Para o presidente estadual do PT, Jackson Macedo, a medida não vai causar tantos efeitos a sigla tento em vista que o partido já disputou sozinho alguns pleitos eleitorais. Já o presidente estadual do PSL o deputado federal Julian Lemos o fim das coligações vai fazer com que as siglas tenham um maior número de candidatos, mais organização para buscar os sufrágios eleitorais necessários para sobreviverem.

Assim também pensa o presidente estadual do tucanato no Estado, o parlamentar federal Ruy Carneiro onde destaca que com o fim das coligações, os partidos ficarão mais fortes, haverá um número menor de partidos, o que proporcionará o fim das legendas de aluguel.

PB Agora